Canal oficial no Youtube
Canal oficial no Youtube

Espaço Leitura

Espaço Leitura – a Comissão Científica indica (Abr/2019):

 

Retrospective analysis of 30-day unplanned
readmission after major abdominal surgery with
reversal by sugammadex or neostigmine

Oh TK, Oh AY, Ryu JH, Koo BW, Song IA, Nam SW, et al.
British Journal of Anaesthesia 2019 Mar; 122(3): 370-78. (In press)

 

O sugamadex possui um custo unitário elevado, quando comparado diretamente com a neostigmina, fator que dificulta sua padronização em larga escala. Entretanto, algumas evidências apontam para desfechos mais positivos, como menor incidência de bloqueio neuromuscular residual e de complicações pulmonares em pós-operatório.
Isso nos faz interrogar se sua relação custo-benefício não seria favorável. Neste sentido, este estudo coreano nos traz mais uma evidência a favor da utilização do sugamadex quando comparado à neostigmina.

Os autores realizaram um estudo retrospectivo, unicêntrico, com cerca de 1.500 pacientes que se submeteram à cirurgia abdominal de grande porte, e analisaram a taxa de readmissão hospitalar em 30 dias após a alta.
Por meio de uma análise de propensity-score matching, que tende a eliminar possíveis viéses de confundimento, os autores descobriram uma menor taxa de readmissão hospitalar em 30 dias nos pacientes que foram revertidos com sugamadex quando comparados aos que receberam neostigmina.
Apesar desses achados acrescentarem evidências sobre os benefícios clínicos do sugamadex, especialmente a longo prazo, a relação causal direta permanence difícil de se fazer, necessitando de reproducibilidade desses resultados e, principalmente, de estudos com desenhos mais apropriados para que se comprove – ou não – esta associação.

Incidence and risk factors of hypoxaemia after preoxygenation at induction of anaesthesia
Baillard C, Boubaya M, Statescu E, Collet M, Solis A, Guezennec J, et al.
British Journal of Anaesthesia 2019 Mar; 122(3): 388-94. (In press)

 

A hipoxemia após a indução anestésica, não raro acontece, especialmente em situações clínicas já conhecidas de todo anestesiologista, como, por exemplo, nas populações pediátrica e obstétrica, obesos mórbidos, “estômago cheio” e pacientes sépticos, entre outras. Este estudo francês, prospectivo e multicêntrico, analisou aproximadamente 2.400 pacientes submetidos à anestesia geral e encontrou uma incidência de 6% de hipoxemia após a indução (definida com SpO2 < 95%).

Os fatores de risco para este evento foram: hipertensão arterial sistêmica, DPOC, cirurgias de emergência, dificuldade de ventilação e de intubação orotraqueal. Além desses, a pré-oxigenação ineficaz do paciente (definida como a incapacidade de se atingir uma SatO2>90%) também se mostrou um fator de risco independente, e ocorreu em cerca de 30% dos pacientes estudados.
Esses achados levantam a hipótese de que outras medidas adicionais poderiam ser utilizadas para garantir uma pré-oxigenação eficaz, especialmente em alguns grupos de pacientes. Entre as técnicas citadas pelos autores, há o alto fluxo de oxigênio via cânula nasal e CPAP.

 

Essas indicações foram gentilmente feitas pelo:

 

Dr. Glauber Gouvea

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Espaço Leitura – a Comissão Científica indica (Abr/2018):

 

1. Perioperative management of the adult patient on venousvenous extracorporeal membrane oxygenation requiring noncardiac surgery. Fierro MA, Daneshmand MA, Bartz RR. Anesthesiology 2018 Jan; 128 (1): 181 – 201

O uso da membrana extracorpórea de oxigenação (ECMO) vem crescendo no mundo inteiro. Muitos indivíduos sob esse suporte necessitam de algum procedimento cirúrgico, portanto faz-se necessário por parte dos anestesiologistas um amplo conhecimento das modificações fisiológicas, implicações anestésicas e funcionamento do ECMO, para melhor atendimento de seus pacientes.

Este artigo de revisão é bastante esclarecedor, no que tange as diversas alterações fisiológicas e suas implicações anestésicas, no paciente que esteja sob suporte de membrana extracorpórea de oxigenação veno-venosa e necessite de procedimento anestésico em cirurgia não-cardíaca.
Boa leitura!

 

2. Antifibrinolytic Therapy and Perioperative Considerations. Levy JH, Koster A, Quinones QJ et al. Anesthesiology. 2018 Mar;128(3):657-670

A fibrinólise é um componente fisiológico da hemostasia que funciona para limitar a formação de coágulos. No entanto, após trauma ou cirurgia, a hiperfibrinólise pode contribuir para a coagulopatia, sangramento e resposta inflamatória excessiva. Os agentes antifibrinolíticos são cada vez mais utilizados para reduzir o sangramento, a administração de sangue alogênico e os desfechos clínicos adversos.
O ácido tranexâmico é o mais extensivamente estudado e usado na maioria dos países. Esta revisão busca elucidar o papel da fibrinólise como mecanismo fisiopatológico, além de analisar os diversos agentes farmacológicos utilizados para inibir a fibrinólise, concentrando – se principalmente no papel do ácido tranexâmico.

Essas indicações foram gentilmente feitas pelo:

 

Dr. Sergio Teixeira Sant’Anna Junior
Anestesiologia -TSA/ SBA
Terapia Intensiva – TEMI/ AMIB

UTI – Hospital Norte D’Or
Anestesiologia – Hospital Municipal Souza Aguiar

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Espaço Leitura – a Comissão Científica indica (Mar/2018):

 

1. Any news on the postdural puncture headache front?
Peralta F, Devroe S. Best Pract Res Clin Anaesthesiol, 2017;31:35-47.

 

A cefaleia pós-punção da dura-máter (CPPDM), inadvertida ou não, embora autolimitada e benigna na maioria das vezes, traz um desconforto incapacitante ao paciente e exige, do anestesista, uma conduta terapêutica urgente. O diagnóstico é eminentemente clínico e de fácil execução, mas as condutas preventivas e terapêuticas são causas de incerteza para o anestesiologista, pela limitada evidência científica quanto à segurança e efetividade.
O artigo proposto, de revisão, traça um perfil fisiopatológico, diagnóstico e das complicações da CPPDM. Analisa, a seguir, os métodos preventivos e terapêuticos apoiados em revisões sistemáticas e meta-análises. Após esta leitura, concluiremos que algumas condutas devem ser abandonadas, ao passo que outras exibem consistência e permanecem executáveis. Boa leitura.

 

2. Guidelines on the management of postoperative pain.
Chou R, Gordon DN, de Leon-Casasola AO et al. The Journal of Pain, 2016;17:131-57.

O controle da dor aguda no pós-operatório continua sendo um desafio para o anestesiologista, apesar do vasto arsenal terapêutico disponível. Estamos aquém do cenário ideal, posto que menos da metade dos pacientes cirúrgicos refere um adequado alívio da dor. A presença de dor impacta negativamente a recuperação pós-cirúrgica, aumenta as complicações e o tempo de internação hospitalar, além de haver o potencial de se tornar crônica.
Este guideline, proposto pela American Pain Society e American Society of Anesthesiologists, com revisão e aprovação da American Society of Regional Anesthesia and Pain Medicine, baseado em evidências científicas, avalia e propõe condutas terapêuticas farmacológicas e não farmacológicas seguras no controle da dor pós-operatória em adultos e crianças. Boa leitura.

 

Essas indicações foram gentilmente feitas pela:

 

Maria Angélica Abrão, TSA

Diretora Científica da SAERJ
Membro do Comitê de Anestesia em Transplante de Órgãos/ SBA
Mestre em Ciências Cirúrgicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Espaço Leitura – a Comissão Científica indica (Jan/2018):

 

1- Strategies for the prevention of airway complications – a narrative review
Cook TM. Anaesthesia,2018;73:93-111.

As complicações decorrentes da abordagem da via aérea representam um tema importante dentro da anestesiologia moderna. O presente artigo enfatiza, de forma didática e em uma revisão narrativa, as informações, obtidas através de literatura recente, que objetivam a prevenção dessas complicações. Ele destaca que, apesar do avanço da segurança, proporcionado pela tecnologia, ainda há limitações em alguns cenários, como na comunicação e na tomada de decisões durante situações “não intubo, não oxigeno”. Curiosamente, ensaios controlados aleatórios fornecem pouca informação útil sobre segurança nessa situação, e os dados de registros e de bancos de dados, provavelmente, terão mais valor.

 


2- New Hypnotic Drug Development and Pharmacologic Considerations for Clinical Anesthesia

Tanious MK, Beutler SS, Kaye AD et al.
Anesthesiology Clín, 2017;35:e95-e113.

Há décadas, os anestesiologistas buscam o agente ideal para garantir uma indução de anestesia mais segura. Um progresso notável, na área do desenvolvimento de novos medicamentos e na criação de “drogas suaves” (análogas aos compostos já existentes), vem ocorrendo recentemente. Este artigo avalia o progresso atual no desenvolvimento de novos agentes hipnóticos, e fornece uma atualização sobre os fármacos mais promissores para entrar na prática clínica. Além disso, descreve as tendências no desenvolvimento desses novos agentes, suas implicações para os custos com o sistema de saúde e para o cuidado perioperatório.

Essas indicações foram gentilmente feitas pelo:

 

Dr. Sergius Arias Rodrigues de Oliveira, TSA