COVID
COVID

História

Em 1950, durante a Assembleia Ordinária Anual da Sociedade Brasileira de Anestesiologia ficou estabelecido a criação de Sociedades Regionais nos Estados, que por sua vez seriam filiadas à SBA, sua célula maior.

Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal

A Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal (SADF) foi fundada no dia 4 de agosto de 1952, na cidade do Rio de Janeiro, por esta ser na época a sede da República Federativa do Brasil. A primeira diretoria, constituída para o biênio 1952-1953, foi composta pelos Drs. Renato Milliet (Presidente), Laudino Carneiro Filho (Secretário) e Antonio Franco Vieira (Tesoureiro). Foram realizadas nove reuniões administrativas, sendo que, na terceira delas, o Dr. Antonio Patury e Souza assumiu a tesouraria, procedendo-se o estudo e a aprovação dos Estatutos e do Símbolo da Sociedade, aprovados em Assembleia Geral Extraordinária.

Em 1954, sob a presidência do Dr, Antonio Patury, houve a instalação da sede da Sociedade na Rua Santa Luzia, nº 799 / sala 1402 – Centro, graciosamente cedida pela Foregger do Brasil. Na época, a Sociedade atuava junto à Secretaria de Saúde do Distrito Federal, que propunha a realização de um Curso de Formação de Enfermagem em Anestesiologia, o que caso tivesse se efetivado, teria sido trágico para a especialidade.

Em 1955, sob a presidência do Dr. Renato Correia de Castro, discutiu-se a proposta da outorga,através de prova de proficiência do Título de Especialista em Anestesiologia da SBA (hoje Título Superior de Anestesiologia), em Assembleia Geral Extraordinária.

Foram ainda realizadas 20 reuniões administrativas, destacando-se o estabelecimento dos “Princípios Éticos da Conduta Profissional”, bem como o “Curso Básico de Anestesia”, ministrado no Hospital do Pronto Socorro (atual Souza Aguiar) com aulas dadas pelos Drs. Renato Ribeiro, Zairo E.G. Vieira, Leo Cabral de Menezes e Roched Sebba. Participaram ainda das atividades científicas os Drs. Bento Gonçalves, Deyler Goulart Meira e Jorge Brauniger.

Em 1956, sob a presidência do Dr. Carlos Arthur Cabral de Menezes, a SADF patrocinou o III Congresso Brasileiro de Anestesiologia, realizado nos recintos do Ministério da Educação, e teve como convidados especiais os professores Robert Dripps e Robert Virtue, tendo alcançado um resultado sócio-político e cultural acima do almejado.

Em 1957, sob a presidência do Dr. José Afonso Zuglianni, houve o primeiro curso para os candidatos ao TEA (Título de Especialista em Anestesiologia). Participaram da comissão examinadora os Drs. Mário de Almeida, Oscar Ribeiro, Renato Ribeiro e Zairo Vieira.

Em 1958, sob a presidência do Dr. Sérgio Maria Maduro Paes Leme, realizou-se a I Jornada de Anestesiologia do Rio de Janeiro, de suma importância, pois foi a precursora de todas as que a sucederam, tais como as Jornadas Rio-São Paulo-Minas Gerais, JOSULBRA – Jornada de Anestesiologia do Sul Brasileiro e as que se tornaram oficiais da SBA. A Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal existiu até 1961.

Sociedade de Anestesiologia do Estado da Guanabara (SAEG)

Em função da transferência da capital para Brasília, houve a modificação do nome da SADF para Sociedade de Anestesiologia do Estado da Guanabara (SAEG), mudando também os regulamentos e os estatutos, conservando os direitos e a união dos associados.

Em 1961, sob a presidência do Dr. José Pinto Araújo, a diretoria reformou e atualizou os estatutos, estabelecendo ainda, as diretrizes que nortearam os trabalhos futuros da Sociedade.

No dia 4 de agosto de 1962, a SAEG completou 10anos e em assembléia geral extraordinária (AGE), presidida por seu Presidente o Dr. José Luiz Guimarães Santos, a diretoria comunicou a aquisição da sede própria situada à Rua das Marrecas nº 36 / cobertura 03, contígua à sede da SBA situada na cobertura 01. Uma curiosidade era o funcionamento do telefone 22-22-10, que poderia ser usado para comunicação com a SBA após as 13h30. Aconteceu ainda mais uma AGE importante, no dia 12 de junho, quando foi aprovada uma tabela de preços mínimos para anestesias, proposta por Dr. Peter Spiegel E.A.
Esta tabela foi apresentada na Assembléia de Representantes (A R) da SBA, sendo recomendada a sua adoção pelos colegas na ocasião da realização ou revisão de contratos profissionais existentes. Também serviria de base para discussão e criação de uma tabela de honorários junto à Previdência Social do Ministério do Trabalho, que viesse a atender os interesses dos médicos anestesistas, o que se deu mediante a mais seis assembléias gerais extraordinárias.

Em 1963, o Dr. José Joaquim Cabral de Almeida, Presidente da SAEG, Dr. Bento Gonçalves, Presidente da SBA, e o Dr. José Pinto Araújo, representante da AMB, compareceram a uma reunião do Conselho Médico da Previdência Social, órgão responsável pela resolução da negociação da tabela proposta pela comissão de anestesistas. Um convênio entre o Departamento Nacional de Previdência Social e a SBA, através da Resolução nº 262/63, foi firmado, em 13 de março de 1963, para a nova forma de remuneração dos anestesistas, documento de importância histórica, personalizando o trabalho do especialista em anestesia, sendo parâmetro para uma melhor remuneração da classe médica. A Resolução nº 262/63 fixava a remuneração de acordo com o número de horas de trabalho, que contava do início do ato anestésico ao final da cirurgia, ressaltando a obrigação da recuperação do paciente e a proibição de anestesias simultâneas. Os honorários eram pagos em US, que equivalia a um centésimo do salário mínimo, valendo a hora 40 US, contando-se as meias horas, sendo a primeira hora indivisível. Neste ano, a SAEG se tornou entidade de utilidade pública no município do Rio de Janeiro. Com a evolução histórica política e social do Brasil, já em 1966, a US foi desvinculada do salário mínimo, gerando sua desvalorização e sendo gradativamente substituída por outras tabelas de honorários.

Em 1974, a diretoria, além de enfrentar o problema de quebra de ética médica com exclusão de seu quadro de um dos anestesistas, realizou três AGEs para estudar e viabilizar a fusão da SAEG à Sociedade do Estado do Rio de Janeiro, a SOFA – Sociedade Fluminense de Anestesia. Na ocasião, destacou-se a cooperação de seu presidente Dr.Carlos Frederico Tibau Dias e Ney Santos que conduziram a fusão em 1975.

Sociedade de Anestesiologia do Estado do RJ (SAERJ)

A Sociedade de Anestesiologia do Estado do RJ (SAERJ) foi fundada após realização de Assembléia Geral, conjunta da SAEG e da SOFA, no dia 24 de fevereiro de 1975, e conforme acordo anterior, o Conselho passou a ser constituído pelos três últimos presidentes de cada sociedade, todos com mandato de seis anos, renovando-se anualmente um terço, sendo considerados fundadores todos os anestesistas em atividade, pertencentes aos quadros das duas sociedades.
Em 1988, com o Dr. Marcos Botelho na presidência da SAERJ, foi iniciado um caminho futuro para a defesa profissional, com a finalidade de resolução dos freqüentes impasses entre os pagamentos dos planos de seguradoras de saúde e o especialista, foi fundada a Cooperativa de Anestesistas do Rio de Janeiro (COOPANEST-RJ).

Ensino e Treinamento: O regulamento dos Centros de Ensino e Treinamento (CETs) foi aprovado em AR da SBA, realizada no dia 14 de novembro de 1958, e em reunião da SADF, em março de 1959. O editorial, escrito pelo Dr. Bento Gonçalves, chamou a atenção sobre as novas bases de especialização no Brasil, com reconhecimento oficial da conclusão do curso de treinamento. A obtenção do título de especialista opcionalmente poderia se dar após três anos da conclusão do curso por prova escrita elaborada por uma comissão da SBA.

O primeiro CET da SAEG, credenciado em 1962, foi no Hospital dos Servidores do Estado da Guanabara (IASEG), tinha o Dr. Renato Ribeiro como responsável e dispunha de três vagas. Em 1965, além do IASEG, existiam o Hospital Universitário Pedro Ernesto, que tinha o Dr. Bento Gonçalves como responsável e dispunha de oito vagas, e o Hospital Silvestre, sob responsabilidade do Dr. Sérgio Paes Leme, com duas vagas. Paralelamente, existia ainda um “Curso de Especialização da Universidade Católica”, dirigido pelo Dr. Renato Ribeiro.

Em 1966, a SAEG construiu um auditório em sua sede, dando início a um grande intercâmbio entre os CETs, com reuniões científicas que associavam temas da anestesia a um especialista de outra área, como por exemplo, “Anestesia em Cirurgia Plástica” com Renato Ribeiro e Ivo Pitanguy.
Em 1970, a Sociedade contava, além dos três CETs já citados, com mais seis: Hospital de Ipanema, sob a responsabilidade da Dra. Consuelo Plemont, com sete vagas; Hospital Getúlio Vargas, sob a responsabilidade do Dr. Robert Charles Marinho, com cinco vagas; Instituto Nacional do Câncer, sob a responsabilidade do Dr. José Leonardo Vaz, com sete vagas; Hospital dos Servidores do Estado, sob a responsabilidade do Dr. Rui Marra; Hospital Souza Aguiar, sob a responsabilidade do Dr. José Afonso Zuglianni, com sete vagas; Hospital Central da Marinha, sob a responsabilidade do Dr. William Smith Serra, com sete vagas. O estágio teórico prático tinha a duração de um ano calendário. Em 1971, a Sociedade administrou experimentalmente o primeiro “Curso Unificado de Anestesia CET”. A SAERJ conta hoje com 17 CETs, com treinamento em três anos.

Contribuição do quadro social para SBA Editores da Revista Brasileira de Anestesiologia: Dr. Oscar Ribeiro (1948 e 1949), Dr.Renato Ribeiro (1950), Dr. J.J. Cabral de Almeida (1951-52), Dr.Milton Luz (1953), Dr. Zairo Vieira (1961-1964), Dr. Bento Gonçalves (1965-1979), que hoje dá nome à biblioteca da SBA.

Presidentes da SBA: 1948 – Dr. Mário de Almeida; 1949 – Dr. Vicente Guede; 1950 – Dr. Oscar Ribeiro; 1951/52 – Dr. Renato Ribeiro; 1955 – Dr. Zairo Vieira; 1963 – Dr. Bento Gonçalves; 1967 – Dr. José Luiz Guimarães; 1969 – Dr.Ney Santos (SOFA); 1974 – Dr.Antonio Albuquerque; 1979 – Dr.José Carlos Ferraro Maia.

Em sua história recente, através dos presidentes, Dr. Alfredo Augusto Portela (1984), Dr. Newton Leme (1989), Dr. Ícaro Roldão Chaves de Barros(1993), Dr. Luiz Fernando Saubermann (1998) e Dr. Carlos Alberto Moura (2002), houve a implantação e modificação dos valores da tabela de honorários da AMB para o anestesista junto às empresas prestadoras de serviço de saúde. E, atualmente, em 2007, o Dr. Ismar Lima Cavalcante participa da implantação da CBHPM – Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos.

Congressos Brasileiros de Anestesiologia: 1956 (III CBA), 1965 (XII CBA I Luso Brasileiro), 1971 (XVII CBA, XI Latino Americano e III Luso Brasileiro), 1979 (XXIV CBA), 1987 (XXXIV CBA), 1996 (XLIII CBA), 2006 (LIII CBA).
*Texto elaborado pela Dra. Carmen Baptista dos Santos

— — —

Analisar a História permite a melhor compreensão do presente e, ainda, projetar mais adequadamente o futuro.
Não somos historiadores, mas, desde diretorias pretéritas, dispomos em nosso portal uma seção deHistória da nossa regional, escrita a partir da colaboração dos nossos sócios.
Para tal, tivemos a valiosa contribuição inicial da Dra. Carmen Baptista dos Santos.
Recebemos, em novembro de 2013, outras valiosas informações apresentadas pelo Dr. Icaro Roldão Chaves de Barros, Presidente da SAERJ no biênio 1985-1986.
Este espaço estará sempre aberto às informações que recebermos dos nossos sócios, e que engrandeçam a nossa História e fortaleçam a nossa coesão associativa.
Agradecendo ao Dr. Icaro, apresentamos o texto abaixo que teve por base as informações por ele encaminhadas.

Complementando nossa História

Diretoria 1983-1984
– Criou o SIMFATI, dando início à interiorização da Sociedade e promovendo a disseminação do conhecimento científico aos sócios que atuavam e moravam fora da capital.

– Promoveu reunião no auditório do antigo BNH, com os presidentes das medicinas ABRANGE e ABRASPE, para negociar a adoção da Tabela Honorários Médicos da AMB, como forma de remunerar os anestesiologistas de maneira uniforme e com valores Éticos.

– Ainda no contexto de remuneração mais justa, iniciou o movimento de descredenciamento dos anestesiologistas do antigo INPS.

Diretoria 1985-1986
– A Diretoria do biênio 1985-1986 deu continuidade ao processo de descredenciamento do INPS. Visitou inúmeras cidades do interior do Estado, promovendo reuniões e assembléias que consolidaram a liderança da Anestesia no movimento médico.

– Liderou o movimento para implantação da tabela da AMB, com descredenciamento dos anestesiologistas dos convênios e iniciando a cobrança direta dos pacientes, emitindo recibo para posterior reembolso. Esse movimento só foi possível pela confiança dos membros da SAERJ em sua Diretoria.

Diretoria 1987
– Após árduo trabalho, a Diretoria da SAERJ convocou Assembleia Geral na sede social da Regional para constituição da COOPANEST-Rio, com a presença de 20 membros da regional, que passaram a membros fundadores.

Foram eleitos para a primeira diretoria:
– Presidente – Dr. Marcos Botelho da Fonseca,
– Tesoureiro – Dr. Ícaro Roldão Chaves de Barros,
– Secretário – Dr. Luiz Fernando Saubermann.
Foram também eleitos os membros do Conselho Fiscal e seus respectivos suplentes, cujos nomes constam na ata da assembleia constituinte.

Diretoria 1991-1992
Realizou o 21.o Congresso da CLASA no Hotel Glória.
Elegeu na Assembléia de Representantes da SBA, de 1991, todos os candidatos da SAERJ, inclusive o Vice-Presidente (cargo disputado acirradamente com outra Regional).